Conto: A Garota do Banco de Trás - Mary C. Müller #TOCANDOAMOR

Todos os dias daquele ano, Bianca pegou o mesmo ônibus para ir à escola. Todos os dias, admirou a garota do banco de trás, a quem apelidou de Kindle. Agora, a um triz de terminar os estudos e mudar de cidade para fazer a faculdade dos seus sonhos, ela percebe que se algumas coisas não forem resolvidas em cima da hora, talvez seja tarde demais.
Crush de busão, quem nunca?

Neste conto iremos conhecer a jovem Bianca, que está prestes a finalizar o ensino médio. Há aquela grande expectativa em relação as improváveis mudanças universitárias mais o adeus aos amigos - sobretudo sua melhor amiga Carol. Mas, para a nossa protagonista, a pior despedida será dela: a garota que subia no ônibus na altura do Bairro das Nações.

Bianca é uma menina muito tímida. Nunca criou coragem para iniciar uma conversa e, pelo menos, descobrir o nome dela. Daí ela chama a menina de Kindle, pelo fato da mesma estar sempre lendo no aparelho. Com a última semana de aula se aproximando, o tempo está esgotando. Eis que Bianca decide escrever uma carta. Nem é necessário afirmar que haverá alguns obstáculos até que ela entregue à destinatária.

"Eu sempre fui meio desleixada, mas naquele ano eu tentei colocar um mínimo de esforço no visual antes de sair de casa."

Esta é uma segunda versão do conto. A primeira, intitulada 102 A, encontra-se na antologia Nós Estamos Aqui: Histórias da Juventude da editora Draco. A narrativa realmente apresenta uma construção jovial, destacando parte dos caminhos que traçamos durante essa fase. Aquela sensação dos últimos dias de aula soa inesquecível, mesmo que você não tenha tantos amigos ou tanta coisa a se apegar. Bianca é a protagonista e divide tudo com o leitor. Mas para a garota também resta imaginar os dias sem admirar sua musa.

A expectativa e admiração nutrem a protagonista. É muito doce a forma em que ela descreve seus sentimentos platônicos. Aquela sensação gostosa, de ansiar encontrar alguém em determinado local. Mary C. Müller ganha este trunfo em sua escrita: a conexão com as lembranças adolescentes do leitor. Difícil não recordar de um crush desta época. Apesar que eu detesto lembrar destas coisas quando leio romances. Ha!

O enredo segue simples e ágil. Até pensei em colocá-lo na coluna dos curtinhos, mas olhem só quantos parágrafos acabou surgindo! Pois é, só comprova o quanto a fascinação de Bianca se desenvolve bem, apesar dos entraves de sua timidez. E nada soa perturbador, viu? Temos uma paquera saudável e adorável para acompanhar... coisa que falta por aí, né?

"Minha avó uma vez me disse que algumas coisas ficam mais claras quando colocadas no papel."

Entretanto, apesar da boa empatia com a protagonista, achei injusto a falta de uma narrativa paralela para a Kindle. Ficamos no vazio em relação aos seus sentimentos e, também, a personalidade. A conclusão corrida, com poucos diálogos, acaba por não ajudar tanto. Quem sabe uma nova aventura protagonizada por estas duas esteja nos planos literários da autora! 

A Garota Do Banco de Trás é aquele romance clichê que deixa certo conforto no coração. Tudo que envolve cartinhas é difícil não conquistar. Vocês sentem saudades de depositar seus sentimentos em cartas?

Edição lida em e-book. Gente, impossível não amar essa capa! Arte lindíssima e repleta de detalhes pra bisbilhotar. Amo! E a camisa da Bianca? "Make Emo Great Again". Super concordo, viu! Ha! A diagramação apresenta um bom trabalho, de boa revisão e formatação. Só continuo implicando com o uso do artigo definido antes dos nomes, como sempre...

Até o momento da publicação da postagem - e-book disponível no Kindle Unlimited.




Autora: Mary C. Müller
Origem: Literatura Brasileira
Editora: Amazon | Agência MAGH
ASINB088RHTTSG
Publicação: 2020
Páginas: 29
Série: Não
O Que Tem? Conto, Romance LGBTQ+, Carta, Crush de Busão, Mudanças Adolescentes, Kindle

7 COMENTÁRIOS

  1. Se não estou enganada, estou com esse ebook no kindle, mas as vezes são tantas leituras que eu simplesmente deixei passar. Adoro um bom clichê.

    Bjs

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  2. Oi Nana,
    Apesar de não ser fã de romances, eu gostei dos elementos que se encontram nesse conto. Acho legal quando a história, mesmo que pequena, consegue fazer o leitor se identificar.
    E quem sabe realmente não surja mais um conto ou um livro mais denso onde possamos entender melhor a Kindle e seus sentimentos.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  3. Oi Nana
    Menina , alguns anos atrás eu estaria doida para ler esse conto , era a minha cara.Amo um cliché.
    Mas não sei o motivo, mas parece que hoje em dia não me atrai tanto.
    Amei a resenha
    Beijos

    mundinhoquaseperfeito.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Que pena que algumas partes ficaram mais vazias, faltando sentimentos, mas parece bonitinha a história.

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  5. Oi Nana,
    Parece fofinho! Mas como você já sabe, não sou muito de ler contos, quando eu começo a me empolgar, eles acabam, rs.
    Não sei seu arriscaria a leitura por conta disso, sinto que não me envolveria como deveria.
    beeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Nana, tudo bem?
    Seria bom conhecer o lado da Kindle, mas ainda assim achei a trama interessante.

    *bye*
    Marla
    http://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Oi Nana o/

    Eu acho a capa desse conto muito fofa! Essa questão do final corrido e é bem comum entre contos. Assim que eu voltar assinar o KU eu vou ler, gosto desses contos fofinhos e de paquera.

    Boas leituras,
    Apesar do Caos (blog) | Skoob | Twitter
    Karen Gabrieli

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.