Livro: A Garota dos Olhos Azuis + Flores Partidas - Karin Slaughter

Olá pessoas, tudo bem?
Hoje teremos resenha dupla, sobre um dos melhores policiais que li esse ano, de uma autora que eu seria stalker o suficiente pra ler a lista de compras. Ha! Ah, sim, fiquei triste que ela veio na Bienal e não deu pra conhecê-la, mas quem sabe futuramente, né?

Então, essa resenha é dupla pelo fato de que vou comentar sobre o prólogo e enfim, o livro. O prólogo se chama A Garota dos Olhos Azuis e está disponível - somente em e-book - gratuitamente na Amazon. Já o livro, Flores Partidas, se você está no limbo que nem eu, volta e meia o e-book fica com um preço super bacana lá na Amazon.

EDIT: A leitura do livro Flores Partidas pode ser feita solo. Daí você pode ler o prólogo quando quiser.


A GAROTA DOS OLHOS AZUIS - PRÓLOGO

A Garota dos Olhos AzuisEXCLUSIVO EM EBOOK! Uma linda garota caminha pela rua quando, de repente...
Julia Carroll sabe que muitas histórias começam assim. Bonita, inteligente, dezenove anos e recém-chegada à faculdade, ela deve tomar cuidado. Mas, mesmo com todo cuidado, ainda está apavorada, porque várias meninas estão desaparecendo. Uma colega sua, Beatrice Oliver, desapareceu. Assim como uma moradora de rua chamada Mona-Sem-Nome. As duas sumiram no meio da rua, sem deixar vestígios. Julia não quer ser a próxima... Sua única saída é descobrir as razões por trás desses mistérios. A garota dos olhos azuis é um emocionante e inesquecível prequel do best-seller da autora Karin Slaughter, Flores partidas.

Em 1991, conhecemos a jovem Julia Carroll que está cursando jornalismo na Universidade de Georgia. Ela vive na cidade universitária de Athens e é repórter do jornal do campus. Para Julia, a faculdade é uma chance de se reinventar e estava muito animada com todo aquele mundo novo. Ela tentava ser amigável com todos, inclusive estranhos. Mas, quando Beatrice Oliver desapareceu, Julia notou uma transformação em sua personalidade. Beatrice e ela eram parecidas, o que deixa Julia obcecada pelo caso. E também com medo.

As ruas não lhe soam mais seguras. Ela está sempre observando ao redor, com uma sensação estranha e para completar, no abrigo onde é voluntária, uma das moradoras também desapareceu. Delilah diz que Mona-Sem-Nome foi levada por um homem, numa van. Ela pode descrever toda cena. Porém, com seu histórico com a heroína, não lhe dão bola.

"Ela não costumava ser paranoica assim."

Mesmo em páginas mínimas, Karin Slaughter consegue mesclar o temor e os sonhos de sua protagonista perfeitamente. E apesar de se passar em 1991, alguns pensamentos e opiniões estúpidas, ainda persistem nos dias atuais. Julia lida com eles em seu dia-a-dia trabalhando no jornal do campus. Seu desagradável editor-chefe Greg, em pequena aparição, é um belo de um embuste. A autora já prepara o terreno para a escrita pesada e com detalhes horripilantes sobre suas vítimas no volume seguinte.

Infelizmente, não posso dizer se é melhor lê-lo antes ou depois. No meu caso, li antes e quando chegou em Flores Partidas, há uma abordagem imensa sobre os sentimentos do pai de Julia e as emoções dele me deixaram sentida por dias somando com as passagem dos sonhos de Julia por aqui. Se eu tivesse lido depois, creio que ficaria ainda mais tocada com as dores dele e descobrindo os sonhos dela. Mas, uma coisa que aconselho é engatar uma leitura na outra, porque pelo que vi em muitas das resenhas sobre o prólogo, foram reclamações de pessoas que nem sabiam a existência do livro ou que não entenderam a proposta deste e-book.

A história tem uma boa revisão e é cheia de referências da época, sobre filmes e bandas.

Autora: Karin Slaughter
Título Original: Blonde Hair, Blue Eyes
Origem: Literatura Americana
Editora: HarperCollins Brasil
Tradução: Carolina Caires Coelho
ISBN: B01DC81BRM
Publicação: 2016
Páginas: 68
Série: Flores Partidas
#0.5: A Garota dos Olhos Azuis
#1: Flores Partidas
O Que Tem?: Mistério, Faculdade, O QUE ACONTECEU?




FLORES PARTIDAS - O LIVRO

Flores PartidasSinopse editada por causa de spoilers. Irmãs. Estranhas. Sobreviventes. Quando Lydia contou para a irmã que o cunhado havia tentado estuprá-la, Claire não acreditou. Dezoito anos depois, Claire e Lydia não se falam e suas vidas seguiram caminhos muito diferentes. Claire tem uma vida glamorosa, casada com um milionário de Atlanta. Lydia é mãe solteira, namora um ex-presidiário e luta para se reerguer de um passado de drogas e sem direção. A ferida destruidora, no entanto, continua aberta e volta a sangrar quando o marido de Claire é assassinado e as duas se reencontram e também precisam lidar com algumas descobertas de um crime do passado. Poderoso, tocante e muito tenso, com personagens inesquecíveis e reviravoltas surpreendentes, Flores Partidas é um thriller sem igual, escrito por uma das melhores e mais bem-sucedidas autoras de suspense da atualidade. Além da imprevisível história de Claire e Lydia, você também pode descobrir mais detalhes da história de Julia, a irmã, em A Garota dos Olhos Azuis, disponível gratuitamente em e-book.

Claire Scott - Docinho - está em liberdade. Por uma atitude agressiva, acabou na prisão e monitorada pela justiça por seis meses. Ela só queria uma noite em paz com seu marido, Paul, e sentir-se livre. Eles levam uma boa vida, moram numa casa imensa, segura e organizada. Paul preza muito pela segurança é um expert em tecnologia. Ainda no restaurante, os dois se empolgam e vão para um canto da rua, onde o clima esquenta. Porém, são interrompidos por um assaltante e é tudo tão rápido e violento. Claire nunca esqueceria que o marido morrera na sua frente, esfaqueado.

Lydia Delgado - Pimenta - viveu um período conturbado na juventude, devido as drogas. Atualmente, leva uma vida simples ao lado da filha adolescente, Dee, gerencia um pet shop e namora Rick, um ex-presidiário. Ela está com quarenta e um anos e sofre com a pressão das mães populares na escola, em que Dee estuda, e vive incomodada com seu peso atual. Elas vivem tentando enturmar Lydia nas coisas, mas ela não as suporta porque não deseja ser como elas. O desaparecimento de uma das colegas de classe da filha, trás lembranças obscuras para a vida de Lydia: sua irmã Julia, desaparecera há vinte e quatro anos atrás e nunca fora encontrada. Ela não fala com sua família há dezoito anos. Claire, a mãe e a avó, nem sabem da existência de Dee. Lydia cortou laços com todos após acusar Paul de tentar estuprá-la e não acreditarem nela por causa do vício. Claire até ameaçou a chamar a polícia.

No dia do enterro de Paul, a casa que ele dividia com Claire é invadida. A polícia acredita que não levaram nada e o estranho, é que vários estão interessados em investigar a invasão. Um deles é o agente Fred Nolan, que durante a narrativa, cumpre bem o papel de pedra no sapato de Claire. Pressionada, Claire inicia uma investigação pelas coisas no escritório do marido e descobre um vídeo no computador dele. É uma garota sendo torturada e mutilada. Mais tarde, Claire descobre outros arquivos de vídeo, onde aparece mais uma moça sendo torturada e logo depois, morta. Então, decide entregar o HD para a polícia. Mas, será que eles são realmente confiáveis?

"Quando um homem rejeita uma mulher, ela vai para casa e chora por alguns dias. Se uma mulher rejeita um homem, ele pode estuprá-la e matá-la."

Para completar, Claire flagra Lydia prestes a urinar no túmulo de Paul. O reencontro é uma explosão de sentimentos e Claire, demonstra ainda não acreditar na irmã. Lydia chega a ficar preocupada com seu estado atual, mas decide partir antes de qualquer contato mais emotivo. Apesar de Lydia ter negado ao ser questionada sobre filhos, Claire descobre sobre Dee num dossiê que Paul mantinha sobre a irmã. Ele a vigiou por dezessete anos. Assim, Claire convida Lydia para ir até sua casa, mas esconde as informações que encontrara sobre ela. Lydia fica ciente das outras investigações de Paul e os vídeos. Então, as duas se unem numa busca sobre a verdadeira pessoa que Claire fora casada nos últimos anos e por quem ela andou chorando nos últimos dias. Os laços se reconstroem ao poucos, mas as dores passadas se tornam cada vez mais presentes. E infelizmente, conhecer a verdade pode ser devastador.

A abordagem do feminicídio de uma maneira tão horripilante quanto as notícias que vemos todos os dias. Isso é fato. Quer um exemplo? Você lembra do caso da jornalista sueca que encontraram só os restos? Não? Clique aqui. Há uma parte dessa notícia em que é mencionado: "Filmes em que mulheres eram torturadas, decapitadas e queimadas foram encontrados em um disco rígido em seu estúdio, segundo anunciou na terça-feira a Procuradoria dinamarquesa.".  Parece estar lendo alguma passagem do livro.

Durante boa parte das páginas de Flores Partidas, a autora Karin Slaughter não perde a oportunidade de explanar o quão uma mulher está exposta a certas situações de ódio e dominação. Ela não expõe somente em estatísticas, mas também no caso abordado das jovens desaparecidas e o que elas sofrem. Pela resenha, vocês devem ter notado que é algo de anos que ocorre na cidade e é como se ninguém fizesse nada sobre. É aí que surgem as suspeitas de pessoas importantes envolvidas, o que deixa todo caso ainda mais asqueroso. Também é importante ressaltar a abordagem que a autora faz sobre a internet facilitar encontrar esse tipo de conteúdo odioso.

"- Os caras da fraternidade filmaram tudo. Basicamente, era uma gangue de estupradores. Allison contou com muitos detalhes, porque, ao que parecia, todo mundo do campus viu o filme. E aí ela me diz: "Você acredita nisso?" E eu disse que não, mas é claro que consigo acreditar, porque as pessoas são terríveis. E Allison diz: "Aquela menina idiota se embebedou daquele jeito no meio de um monte de universitários. Foi culpa dela por ter ido à festa."
Claire parecia tão enojada quanto Lydia se sentiu. Assim que Julia desapareceu, as pessoas não paravam de perguntar por que ela tinha ido ao bar, o que estava fazendo na rua até tarde, e quanto de álcool ela tinha consumido, porque obviamente era culpa de Julia o fato de ela ter sido levada..."

A construção dos personagens é excelente, a maioria faz o leitor se questionar a todo momento. Sei que está bem claro que Paul é um embuste de primeira, porém, no decorrer da leitura a gente conhece outros tão imundos quanto ele. Também temos personagens que nos espantam mais através dos diálogos do que ações e também Claire, que foi manipulada emocionalmente por Paul durante todo relacionamento, e que aos poucos aprendemos a compreender suas atitudes. Uma personagem que amei, foi a mãe delas. Nos momentos finais, acho que é impossível não simpatizar com ela.

Pra quem não pescou, sinalizo que é uma leitura bem pesada. A autora não mede as descrições, que são bem reais. É uma escrita forte e marcante. Sempre alerto isso nas resenhas dos nórdicos policiais, mas dessa vez estamos falando de uma autora americana, o que me deixou ainda mais surpresa. Então, se você é um leitor que curte o gênero mas prefere as investigações mais calmas, TALVEZ queira passar essa.

Gostei muito da revisão e edição. Os capítulos iniciais são divididos entre a vida de Claire e Lydia. Após, acompanhamos a união e investigação delas. E assim como o prólogo, há várias referências envolvendo séries, filmes, músicas e também livros. Vocês acreditam que o Paul leu Cinquenta Tons de Cinza? Pois é...A narrativa se intercala com passagens TRISTÍSSIMAS do diário do pai delas, Sam. Só de lembrar me dá um aperto no coração. Essa capa da moça é a segunda edição, eu gostava da outra capa da rosa vermelha porque eu amo vermelho. Ha! Mas, entendo que também é um meio de passar a mensagem da proposta da autora nessa história.

Autora: Karin Slaughter
Título Original: Pretty Girls
Origem: Literatura Americana
Editora: HarperCollins Brasil
Tradução: Carolina Caires Coelho
ISBN: 9788595081628
Publicação: 2016
Páginas: 400
Série: Flores Partidas
#0.5: A Garota dos Olhos Azuis
#1: Flores Partidas
O Que Tem?: Mistério, Violência, Embustes

12 COMENTÁRIOS

  1. Oi Nana! Eu amo o gênero e estou doida para conferir os livros desta autora que são muito elogiados. Eu garanti alguns na Black Friday e em breve mergulho neles, espero gostar como você gostou.
    Bom domingo! Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  2. Oi Nana, tudo bem?
    Dá pra ler Flores Partidas sem ler o prólogo, né?
    Não sabia que ele existia e pedi Flores Partidas de amigo secreto HAHAHA! Parece uma história incrível.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oops, dá pra ler sim.
      Esqueci de comentar isso na resenha, vou editar.

      obg
      bjs

      Excluir
  3. OOi nana, adorei a dica. Ainda não conhecia os livros, mas já vou arrumar um tempinho para conseguir ler em breve.
    O enredo é muito bom.
    Beijinhos boa semana
    bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu Amo esse gênero, eu li Flores Partidas e curti demais, não sabia que tinha o livro A Garita dos Olhos Azuis! Já quero ^^.

    Beijos
    http://orangelily.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oie
    Não conhecia os livros, achei o enredo bem forte, uma trama envolvente. Mas não sei se o leria, mas gostei de saber sua opinião sobre a obra.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Nana.
    Eu baixei o prólogo no kindle mas estou enrolando para ler porque sei que vou ficar querendo ler o livro e no momento estou atolada de leituras hehe. E como estava de férias estou sem dindin também hehe. Eu não sei se gosto desse estilo mais pesado, mas acho que vou querer ler porque o enredo me interessa e quero conhecer a escrita da autora.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Oi
    eu li a garota dos olhos azuis e gostei, pois me deixou curiosa para ler Flores partidas, comprei o livro e ainda não chegou, parece ser uma leitura que não é pra qualquer um e pesado.

    momentocrivelli.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. A garota dos olhos azuis é uma leitura bem pesada, e confesso que a capa não me ganha de imediato rs.
    Mas curti a resenha
    kisses

    ResponderExcluir
  9. Adorei a sua ideia de escrever uma resenha dupla, Nana! Dessa forma ficou bem clara a conexão entre o prólogo e o livro, e resenhas como essa são importantes para mostrar que o prólogo é sim válido e possui um significado. A história é bem a sua cara mesmo, do estilo que você gosta, repleto de tensão e cenas pesadas hahaha sou suspeita a falar porque também gosto, mas a rainha do suspense é você. Viu, mas deixa eu perguntar, será que ler o prólogo primeiro não seria um pouco de spoiler? Porque na resenha do livro você diz que a Julia desapareceu, e pela resenha do prólogo dava pra imaginar só que ela se metia em encrenca, não que ia pro mesmo caminho que as outras. Acho que fica a dúvida mesmo sobre a ordem né, de qualquer forma o leitor vai chegar à mesma conclusão, lendo primeiro o prólogo ou o livro. Enfim, ótima resenha!!

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAHA morri o com o rainha do suspense. QUERO =x
      Ah, não é spoiler não. O desaparecimento da Julia é praticamente a história central de Flores Partidas. A história se passa 24 anos após o prólogo. A autora lançou o prólogo, no intuito do leitor conhecê-la melhor.

      bjs

      Excluir
  10. Oiii Nana

    Ando numa vibe louca por le thrillers e suspenses e a Karin Slaughter vem se tornando cada vez mais queridinha entre fãs do gênero. Apesar dessa escrita mais pesada e sem censura que usa a autora (e eu sou bem medrosa) quero muito ler os dois livros que vc resenhou, porque sei que vou gostar e sei que está bem desenvolvido o mistério criado e eu super adoro isso. Com certeza será uma das minhas leituras de 2018.

    Beijos

    aliceandthebooks.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.