Livro: O Labirinto dos Espíritos - Carlos Ruiz Zafón

O Labirinto dos EspíritosMadrid, anos 1950. Alicia Gris é uma alma nascida das sombras da guerra,que lhe tirou os pais e lhe deu em troca uma vida de dor crônica. Investigadora talentosa, é a ela que a polícia recorre quando o ilustre ministro Mauricio Valls desaparece; um mistério que os meios oficiais falharam em solucionar. Em Barcelona, Daniel Sempere não consegue escapar dos enigmas envolvendo a morte de sua mãe, Isabella. O desejo de vingança se torna uma sombra que o espreita dia e noite, enquanto mergulha em investigações inúteis sobre seu maior suspeito — o agora desaparecido ministro Valls. Os fios dessa trama aos poucos unem os destinos de Daniel e Alicia, conduzindo-os de volta ao passado, às celas frias da prisão de Montjuic, onde um escritor atormentado escreveu sobre sua vida e seus fantasmas; aos últimos dias de vida de Isabella, com seus arrependimentos e confissões; e as intrigas ainda mais perigosas, envolvendo figuras capazes de tudo para manter antigos esqueletos enterrados.
Um outro livrão desse bicho... 
 

Na resenha de A Sombra do Vento, comentei que os livros dessa série podem ser lidos em qualquer ordem. Contudo, aconselho a sempre finalizar sua ordem com O Labirinto dos Espíritos, pois é um livro muito conclusivo, com longas passagens de tempo e despedidas de personagens importantes. Há informações sobre os livros anteriores nessa resenha, mas não vejo como spoiler. Mas, se quiser comentar em outra postagem, fiquei a vontade.

A história que construiu a bela amizade entre os livreiros Sempere e Fermín Romero de Torres, teve início em meados dos anos quarenta passando pelos cinquenta. Agora estamos beirando no início dos anos sessenta, e Daniel Sempere continua casado com Bea e moram com o filho Julián, que se chama assim em homenagem ao seu autor favorito Julián Carax, e administram a livraria junto com Sempere pai e Fermín. Após esses anos, Daniel ainda lembra perfeitamente todas as aventuras que viveu, as decepções, as pessoas que conheceu - e nunca esquecerá - e suas histórias. E por isso, ele deseja escrever e como diria Alicia Gris, tornando todos imortais.

Ah, Alicia Gris! Fermín pede a Daniel que não a esqueça em sua história. Então, ele inicia o relato de como a conhecera em 1938, quando Barcelona vivia embaixo das cinzas. As vítimas e rastros da guerra estavam por todos os lados. Fermín precisava entregar um recado, mas estava se arriscando demais, pois o inspetor Fumero nunca o deixava respirar o ar da liberdade. Porém, após quase uma experiência de morte, ele consegue chegar ao seu destino, mas nem tudo são flores. O pedido era que encontrasse a mãe de Alicia, mas a levaram e ninguém sabe o que teria acontecido. A pequena Alicia estava sozinha com sua avó e agarrada a um exemplar de Alice no País das Maravilhas quando a casa foi bombardeada. Por alguns momentos, ela só teve Fermín para protegê-la, mas não foi o suficiente e eles se desencontraram.

"As recordações que enterramos no silêncio, são as que nunca deixam de nos perseguir."  

Então, a história avança para Madri em 1959, onde Alicia Gris é uma jovem investigadora a serviços de Leandro Montalvo. A guerra deixara marcas tenebrosas em sua pele e dores. Ela gosta de trabalhar sozinha, mas dessa vez seu mentor decide uni-la a um veterano da Chefatura chamado Vargas. O que eles precisam investigar? O desaparecimento de Maurício Valls, agora ministro, e que, se você já leu O Prisioneiro do Céu, sabe como era doentia a mente desse homem então, seu mundo não guarda boas amizades. A vasta lista de suspeitos inclui David Martin, um autor atormentado que passou dias sendo torturado por Valls. Muitos acreditam que ele ainda esteja vivo. Será?

Seguindo uma pista, Alicia e Vargas partem para Barcelona. A moça retorna depois de alguns anos e acaba se aproximando dos Sempere. Fermín não a reconhece, mas ela sabe quem ele é e mesmo não querendo, ele e Daniel acabam envolvidos no caso, quando Alicia decide proteger a família. Ela sabe a verdade sobre a morte de Isabella, mãe de Daniel, e teme por eles. Junto com Vargas e o jovem Fernandíto, Alicia desvenda parte da sujeira, que por muitos anos, figuras de autoridade tentaram encobrir para proteger outros ainda mais poderosos. Há vários pontos soltos que Alicia precisa conectar, como um misterioso e raro exemplar de uma série de livros de Victor Mataix - autor amigo de David Martin -, o sumiço de um odioso colega de trabalho, um homem que a persegue e uma misteriosa lista numerada que Valls deixou pra trás.

Quero agradecer e muito a Companhia e a Suma porque graças a eles, ganhei um presente maravilhoso, que foi ler toda essa série - no caso de O Prisioneiro do Céu foi releitura - durante o ano e me emocionar a cada página com esses personagens, principalmente com a família Sempere. E claro, o autor, com essa escrita deliciosa e instigante que constrói histórias inesquecíveis a cada volume, cheios de passagens e momentos marcantes, mesmo que o cenário de sua narrativa seja um lugar em fase de renascimento e com resquícios de crueldade. E como sempre digo, que seja degustada aos poucos e aqui comprovamos com uma bela surpresa após a finalização do caso de Alicia. Mesmo que algumas histórias finalizem para uns; para outros estão apenas começando.

"Uma história não tem principio nem fim, só portas de entrada.
Uma história é um labirinto infinito de palavras, imagens e espíritos em conluio para nos revelar a verdade invisível sobre nós mesmos. Uma história é, em definitivo, uma conversa entre quem narra e quem escuta, e um narrador só pode contar até onde vai a sua perícia, e um leitor só pode ler até onde está escrito em sua alma."

Em O Labirinto dos Espíritos, Barcelona mantém aquele ar melancólico, pós guerra, porém evolui junto com o passar do tempo; junto com os personagens. O autor sempre expôs em passado e presente, as consequências. E aqui acompanhamos ainda mais através da história de Alicia e enfim, uma sensação primaveril nas páginas finais. As questões sociais continuam sendo abordadas, principalmente por termos uma protagonista feminina e investigadora. Muitos não confiam que Alicia possa concluir o caso ou lidar sozinha, outros enxergam Alicia como uma preza fácil, boba e fácil de manipular. E ela ama jogar como submissa para fazê-los de trouxa. Porém, há personagens que também querem seu afeto e sua segurança. É praticamente difícil não simpatizar com sua construção e a maneira que se encaixa com qualquer personagem na trama

Além da fantástica Alicia Gris - quero ser Alicia Gris quando eu crescer gente - há outros personagens novos, como Fernandito, o menino que tem crushzinho na Alicia e ajuda bastante em sua investigação e também Vargas, que senti uma dualidade imensa na sua introdução, mas com o passar das páginas desperta admiração. Ressalto também a evolução de Bea, a esposa de Daniel, e a maturidade que transpira a cada aparição. Apesar de estar focado na escrita de sua história, Daniel não está lidando bem com suas emoções por causa das revelações de Fermín - em O Prisioneiro do Céu - e sua sede de vingança pela morte da mãe preocupa o amigo. E Bea, mesmo sem saber de alguns fatos, sempre se demonstra paciente com ele, mas também quando precisa, mostra que é ela quem manda. Eu acho que aos poucos, Daniel foi se tornando o pai dele JUANSEMPERE - meio arisco, com seus segredos o sufocando, mas sempre tentando demonstrar uma feição positiva - mas nem percebeu.

Algo que curti bastante na investigação, é que Fermín conhece parte dos envolvidos, mas Zafón não quis facilitar para Alicia. Ela teve que fazer seu trabalho e mesmo com obstáculos e com o perigo à espreita, Vargas e Alicia souberam onde ir, quem avaliar e suspeitar. Tenho que comentar que Alicia super me lembrou a Jill Valentine do Resident Evil.

Vou finalizar a série com a resenha de O Jogo do Anjo - que é praticamente uma introdução -, mas não há problema de encerrar por aqui, de forma emotiva, dizendo que o final foi lindo, de sorrisos entre lágrimas. Ainda mais que fiquei me achando que o último epílogo é a data do meu aniversário. Ha!

"Nessa manhã, contudo, sob a meia-luz de uma capela distante de Deus e do mundo, o livreiro olhou para o filho e pela primeira vez pensou que o tempo tinha começado a correr para ele também, e que nunca mais veria o menino que vivia tentando recordar o rosto daquela mãe que não ia voltar mais."

A edição e revisão estão ótimas, como sempre, adorei o trabalho com a tradução dos clássicos. A história continua cheia de referências, não só literárias, mas também cinéfilas. Fermín está louco pela Kim Novak.

Autor: Carlos Ruiz Zafón
Título Original: El Laberinto de los Espíritus
Origem: Literatura Espanhola
Editora: Suma de Letras / Suma
Tradução: Ari Roitman e Paulina Wacht
ISBN: 9788556510433
Publicação: 2017
Páginas: 680
Série: O Cemitério dos Livros Esquecidos
#0.5: Rosa de Fuego (Amazon 0800 em Espanhol)
#1: A Sombra do Vento (Resenha)
#2: O Jogo do Anjo
#3: O Prisioneiro do Céu (Resenha)
#4: O Labirinto dos Espíritos
O Que Tem?: Mistério, Drama, Romance, Referências Literárias

LinksSkoob - Compre - Autor - Site da Editora
O blog Canto Cultzíneo agradece à Suma por ceder o exemplar para análise.

14 COMENTÁRIOS

  1. Oie
    Tenho somente o primeiro livro e ainda não li, mas morro de curiosidade. Parecem ótimos os livros.

    Beijinhos
    https://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oiii Nana

    Eu tenho uma amiga que é fã absoluta dos livros do Zafón e ela está sempre indicando. Todas as resenhas que tenho lido sobre a série também sobre Marina, outro dos livros dele, são tremendamente positivas e só me deixam mais curiosa. Adoro a ambientacao, essa Barcelona melancólica que o autor reproduz tão bem aparentemente. Não sei o que ainda estou esperando pra ler... 2018 chegar talvez??? Mas cairá, sim ou sim cairá nas leituras aqui.

    Beijos

    De repente, no último livro

    ResponderExcluir
  3. Oi Nana! Li dois livros do autor que me deixaram de coração partido. Sua escrita é maravihosa, atemporal e vivida. Eu vou ler esta série em 2018. Bjos!!!

    ResponderExcluir
  4. Oi Nana, quero muito começar com o A Sombra do Vento, estou muito animada para ler o Zafón! \o/

    ResponderExcluir
  5. Oi Nana, tudo bem? Eu tenho uma amiga/colaboradora lendo e a opinião dela é bem parecida com a sua. Eu acho que o Zafón é uma autor para gente ler aos poucos, digerindo tudo e se emocionando. Que bom que vc curtiu a leitura!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  6. Parabéns pela resenha Nana! Já li O Prisioneiro do Céu e amei! Estou ansiosa para ler O Jogo do Anjo, A Sombra do Vento e O Labirinto dos Espíritos! Beijo!

    www.newsnessa.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Nana!
    Eu amei os outros livros do Zafón e queria muito ler esse. Só que preciso reler os outros porque já esqueci muita coisa... Vou tentar fazer isso primeiro.

    Beijos,
    Sora | Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  8. Oi, Nana

    Eu queria MUITO ler algo do Zafón, de verdade, Nana, mas pensa em uma preguiça. Não sei bem o porquê, mas acho que eu levaria uma eternidade para terminar um livro dele. Sou atraída pelo fato de ter uma investigadora, pela quase austeridade da trama, mas a preguiça me consomeeee! Hahahahah
    Vamos ver se eu leio quando crescer! Hahahahaha

    Beijos
    - Tami
    http://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  9. eu tenho o primeiro e ainda não li, mas escuto resenhas ótimas sobre todos os livros do autor!

    ResponderExcluir
  10. OOi adorei a resenha, ainda não conhecia o livro mas fiquei curiosa com o enredo e o final da historia.
    Vou incluir na lista dos desejados para o ano que vem, espero conseguir ler haha.
    Beijos bom final de semana
    bellapagina.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  11. Oi Nana, tudo bem?
    Não é muito meu tipo de leitura preferida, mas valeu pela dica
    Blog Entrelinhas

    ResponderExcluir
  12. Tenho muita curiosidade com esses livros, tenho o "A Sombra do Vento" na minha estante em lista de espera =)

    MRS. MARGOT

    ResponderExcluir
  13. Olá, Nana.
    Eu comprei esse livro na pré-venda, mas não sei quando vou ler. Lendo agora sua resenha relembrei de algumas coisas, mas confesso que preciso reler os outros para não perder nada dessa história incrível. O autor é demais, um dos melhores que conheço e para apreciar esse ultimo livro, vou ter que reler. Que bom que conseguiu ler todos eles.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  14. Oii Nana, tudo bem? Conheci seu blog ao acaso, e já amei e é claro que tô seguindo hahahaha. Menina, sempre tive curiosidade em ler esse autor, todo mundo fala super bem dos livros dele,vou tentar ler algo dele em 2018.
    - Beijos, Carol!
    http://entrehistoriasblog.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.