Livro: Uma Mulher no Escuro - Raphael Montes

Um crime brutal cometido há vinte anos, uma única sobrevivente, o retorno calculado do assassino. Em quem Victoria deve confiar? Neste thriller psicológico, Raphael Montes une romance e suspense em uma narrativa intrincada e sedutora. Victoria Bravo tinha quatro anos quando um homem invadiu sua casa e matou sua família a facadas, pichando seus rostos com tinta preta. Única sobrevivente, ela agora é uma jovem solitária e tímida, com pesadelos frequentes e sérias dificuldades para se relacionar. Seu refúgio é ficar em casa e observar a vida alheia pelas janelas do apartamento onde mora, na Lapa, Rio de Janeiro. Mas o passado bate à sua porta, e ela não sabe mais em quem pode confiar. Obrigada a enfrentar sua própria tragédia, Victoria embarca em uma jornada de amadurecimento e descoberta que a levará a zonas obscuras, mas também revelará as possibilidades do amor. Um psiquiatra, um amigo feito pela internet e um possível namorado — qual dos três homens está usando tudo o que sabe para aterrorizar a vida de Vic? E o que afinal ele quer com ela? Na literatura nacional, Raphael Montes é unanimidade quando se trata de livros de suspense. Uma Mulher no Escuro traz sua primeira protagonista feminina e confirma o autor como um dos mais originais da atualidade — além de deixar o leitor intrigado do começo ao fim.
AVISO: Esse livro contêm questões emocionais fortes e cenas de violência sexual.

Raphael Montes está de volta e continua nos revelando a pior versão do ser humano.
Ou seria... seres humanos?

Iniciamos este suspense com um prólogo nos apresentando a protagonista Victoria Bravo, ainda criança, prestes a presenciar uma das piores cenas de toda sua vida. Em 1998, a residência da jovem foi invadida e ela se tornou a única sobrevivente de um caso que ficou por muito tempo na mente das pessoas. Seus pais, professores muito queridos pelo bairro, foram brutalmente assassinados. Seu irmão mais velho também foi alvo do terrível assassino. Para trás, o monstro deixou uma marca em sua perna e rostos pichados com tinta preta.

Nos dias atuais, Victoria já está com vinte e quatro anos e mora em um simples apartamento na Lapa-Rio de Janeiro. Ela lida com vários problemas emocionais, como a paranoia sendo a mais frequente. É uma jovem muito arisca e prefere levar uma vida solitária. A única aproximação mais invasiva permitida é sua tia Emília. Até com as pessoas do trabalho ela prefere não se amigar muito. Sua personalidade é moldada pelos traumas. Uma de suas características é a preferência infantil que a cerca, como laços no cabelo, desenhos, seu inseparável ursinho de pelúcia...

Ainda é muito difícil permitir uma aproximação a mais de Arroz, um amigo que conhecera pela internet. O rapaz sempre insiste em irem além da brincadeira que fazem, visitando apartamentos à venda, como se fossem comprá-los. Victoria jamais permite que estranhos entrem em sua casa, mas Arroz compreende seu lado, afim de manter a amizade. Por outro lado, Victoria continua se esforçando para ir em todas as consultas com o psiquiatra, dr. Max, e responder com avanços.

Seguindo o conselhos do psiquiatra, Victoria decide amenizar as defesas e inicia um relacionamento com Georges, um cliente assíduo em seu local de trabalho. Georges é um escritor com um passado peculiar, e meio difícil de não se desconfiar de suas informações. E fora o timing! Foi só Victoria pensar em se abrir que o passado desejou assombrá-la. Uma mensagem aparece pichada em seu apartamento, assim como em seu urso. O monstro resolveu finalizar o trabalho? Por que a deixou viva afinal?

Mesmo assustada e vendo todo seus pequenos avanços recuarem, Victoria decide iniciar sua própria investigação sobre o paradeiro do assassino. Ela até pede a Arroz que instale câmeras na sua casa. Então, Victoria recebe o diário do monstro, e mal poderia imaginar como toda história viraria tão sinistra quanto já parecia, envolvendo uma figura misteriosa de sua família. Será que ela está preparada para descobrir toda verdade sobre seu ataque?

"Ignorar o passado foi a maneira que você encontrou para seguir em frente, e funcionou até hoje. Mas, diante do que aconteceu, não dá pra continuar assim. Não pode simplesmente suspender sua vida por causa dessa pichação na parede. Esse cara é perigoso. Se estiver de volta, você tem que se proteger."

Esse é o terceiro livro que leio do Raphael Montes e sempre fico de cara com as ações horrendas de seus seres humanos. Esse pega um lado mais investigativo, não diria terror como alguns dos outros, mas as coisas que os culpados fazem não deixam de ser tão macabras quanto. Vamos dizer que pelas vítimas, eu cheguei a cogitar uma coisa e meio que acertei. Mas, conforme o autor desenvolve, é impossível não se chocar com as revelações. O que mais me deixa assustada nas histórias de Raphael, é ter a certeza que o ser humano faria algo assim... ou faz.

A construção de Victoria impressiona pelo fato da peculiaridade de manter sua inocência. Algo dentro dela ainda vive o que perdeu na infância, mas ela tem consciência da fase da vida que está. Mas seus traumas não lhe permitem a liberdade. Certa ironia sua moradia ser na Lapa, berço carioca para vários momentos de lazer, como shows e outras diversões com os amigos. Sua vida é casa-trabalho, sendo seu apartamento um baita refúgio. A personagem exige certa sensibilidade da nossa parte, já que sabemos como alguns não levam a sério as questões relacionadas à saúde mental alheia.

Conforme as páginas avançam, vamos conhecendo mais dos homens que a cercam. E todos eles são a chave para o seu desconfiômetro, claro. Arroz é o típico jovem nerd e cheio de referências da cultura atual, e todas informações que cede sobre sua vida são estranhas. O dr. Max as vezes desperta um sentimento de recuo em Victoria. Daí a gente fica entre, se é por casa de toda proteção dela, ou tem algo mais. E enfim Georges, o dito mozão, mas com um passado que cheira a duvidoso de longe.

"Talvez a vida não fosse assim tão ruim. Talvez ela pudesse ser feliz."

E se não fosse o bastante, o momento bomba deste enredo é quando o diário do assassino entra na narrativa. E o descarado entrega com páginas faltando, pra atiçar os nossos nervos. Sabemos detalhes de seu passado, amigos, comportamento no geral, e por fim, a conexão com os pais de Victoria. Uma coisa que posso dizer, é que ele não era qualquer pessoa na vida dos pais dela. Toda ação tem uma reação. Às vezes, cruel.

No entanto, como mencionado, o livro tem uma pegada mais investigativa, e minha negativa parte desse ponto. Eu gostei muito de acompanhar o crescimento de Victoria no decorrer de sua própria investigação. Ela vai até onde seu emocional permite. Porém, o delegado é um personagem que fica devendo demais, principalmente na parte final - que achei bem corrida, aliás - onde eu ansiei por mais respostas. Ainda acrescento o fato do autor nos apresentar um outro personagem de uma maneira tão legal, para depois ficar espaços sobre sua morte.

Uma Mulher no Escuro é uma ótima pedida para aqueles que se entregam e amam mistérios mais intensos, sem conseguir largar até encontrarem suas respostas. Vejo muitos culpados e pouquíssimas vítimas neste caso. A escrita de Raphael Montes se firma cada vez mais no estilo, com uma construção intrigante e assustadora, mas também viciante. As descrições do autor pelo cenário são um prato a mais, nos levando para um ótimo passeio, por pontos conhecidos do Rio de Janeiro. Tanto para quem não conhece, ou como quem já conhece. A revelação sobre todo o caso é medonha, soando muito real.

"Você também foi vítima deles, Victoria."

Eu adorei a edição porque adoro livrinhos no formato médios, vai tranquilo na bolsa. Ha! Adorei a ideia da capa, com o ursinho da Victoria mais a alusão às pichações. Apesar do formato médio, temos orelhas. Uma ótima revisão, com capítulos não tão longos e uma narrativa cheia de referências culturais atuais. Capaz do leitor finalizar em um dia, como foi meu caso. Acho estranho esse boom de títulos com "mulher no escuro" e claro que vou viver confundindo com o título do livro do Charlie Donlea.

Não posso deixar de falar, que amei ler minha Caxias City citada várias vezes nesse livro. ♥


Autor: Raphael Montes
Origem: Literatura Brasileira
Editora: Companhia das Letras
ISBN: 9788554513894
Publicação: 2019
Páginas: 256
Série: Não
O Que Tem?: Arroz, Saúde Mental, Por que morreu?



O Canto Cultzíneo agradece à Companhia das Letras por ceder o exemplar para análise


CONFIRA TAMBÉM NAS LOJAS ABAIXO:

Nana Barcellos

13 comentários:

  1. Oi Nana,
    Eu li um livro do Raphael Montes e gostei bastante da sua escrita. Infelizmente, como esse estava um pouco caro, acabei deixando para depois.
    Tomara que venha uma promoção boa agora da Bienal para ele ser meu e confesso: estou com as expectativas altas *-*
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi
    que bom que gostou da leitura, parece ser um ótimo suspense, acredita que ainda não li nada desse autor, preciso conhecer a escrita dele, pois fico curiosa com suas histórias, goste da sua resenha.

    http://momentocrivelli.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá, Nana.
    Antes era a Garota isso ou a Garota aquilo, agora é A Mulher hehe. Eu comprei esse livro logo que lançou e ele está aqui na estante esperando a vez. Mas sabe que estou com certo medinho de ler porque estou lendo as resenhas e cada vez fico mais assustada hehe. E como já li outros livros do autor sei bem o que esperar hehe.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Oi Nana! O autor sabe como chocar o leitor, seja em um livro de terror ou de suspense. A escrita dele é bem forte. Boa semana. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Oi Nana, tudo bem?
    Adorei a resenha e achei bem instigante.
    Do autor, só li O Vilarejo e achei muuuito legal. Estou ansiosa pra ler mais obras dele, porque os elogios realmente são inúmeros.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  6. Só me falta este livro do Raphael para ter e ler! É meu autor nacional favorito e não escondo isso de jeito nenhum. Este jeito único dele sempre colocar o ser humano e seus monstros bem visíveis, é maravilhoso. Dá uma sensação de asco com medo e eu amo muito tudo isso.
    Se ele sabe chocar o leitor? Aham!!!!
    Lerei com certeza.
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Oiii Nana

    Eu gosto muito de um bom mistério e o Raphael é um autor que esta sempre recebendo elogios, apesar desse livro ter uma pegada mais investigativa, e portanto, uma leitura às vezes mais densa, eu acho que vou conferir, é o tipo de história que me deixa bem curiosa e essa capa ficou bacana demais.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  8. Oi, Nana!

    Aaaa eu tava doida pra ler uma resenha desse livro, e felizmente foi a sua <3 obviamente eu já tinha curiosidade com a obra por ser do Raphael e por todos os livros dele serem sensacionais e assustadores, e agora tô mais curiosa ainda com tudo o que você contou da história. O diário do assassino, gente! E não ter sido uma casualidade, um evento aleatório, uma família escolhida por acaso, torna a leitura muito mais instigante. Só sei que já tô sofrendo com a coitada da protagonista, que logo quando começa a superar parcialmente o ocorrido, volta a ser assombrada com isso. E concordo totalmente com você, o que mais apavora nos livros do Raphael é ver que são atitudes tomadas por humanos, e que poderia facilmente ser uma história real.

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Nana,

    Eu não li nada do autor ainda, mas já ouvi falar que suas obras são assustadoras.
    Tenho interesse na escrita dele, mas não sei se leria no momento.

    Bjs e uma boa semana!
    Diário dos Livros
    Conheça o Instagram

    ResponderExcluir
  10. Oi Nana!
    Que resenha instigante! Mesmo não lendo o gênero, fiquei muito curiosa a respeito de todo esse mistério em torno do assassino.
    Bjus

    ResponderExcluir
  11. Oi Nana, como está?
    Eu tô doida pra ler esse livro, hahah
    Eu nunca li nada do Raphael Montes, e dos livros q ele lançou até hj esse foi o que mais me interessou! Tem tudo pra eu curtir!
    Adoro quando o "terror" emana das ações da próprias pessoas! Ótima resenha!
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Olá! Amei sua resenha, você escreve muito bem e descreve com perfeição a história. Apesar de amar ler vários gêneros diferentes, esse livro me deu um certo medinho. Acho que no momento não vou ler quem sabe daqui há um tempinho.
    Beijocas.

    https://www.parafraseandocomvanessa.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Depois dessa resenha percebi que preciso URGENTEMENTE ler algo do Raphael Montes!

    Deus, me ajude...

    www.viniciustorres.com.br

    ResponderExcluir

Olá sejam bem vindos e deixem suas opiniões, com respeito, aqui.

Algumas observações:
- Comentários que não tenham relação com a postagem, serão enviados para o spam.
- Comentários irrelevantes como: estilo copy+cola, desprezando o conteúdo da postagem, 'ah adorei a postagem', 'adorei a coluna', 'que legal o post' e outros no mesmo nível, não serão respondidos, e dependendo, serão enviados para o spam também.