Livro: Codinome Villanelle - Luke Jennings


O surpreendente thriller que deu origem à série de sucesso Killing Eve, um drama de espionagem diferente de tudo o que você já viu. Villanelle (um codinome, é claro) é uma das assassinas mais habilidosas do mundo. Uma psicopata hedonista, que ama sua vida de luxo acima de quase qualquer coisa... menos a emoção da caçada. Especializada em matar as pessoas mais ricas e poderosas do mundo, Villanelle é encarregada de aniquilar um influente político russo, e acaba com uma inimiga determinada em seu encalço. Eve Polastri é uma ex-funcionária do serviço secreto inglês, agora contratada pela agência de segurança nacional para uma tarefa peculiar: identificar e capturar a assassina responsável e aqueles que a contrataram. Apesar de levar uma vida tranquila e comum, Eve possui uma inteligência rápida e aguçada – e aceita a missão. Assim começa uma perseguição através do globo, cruzando com governos corruptos e poderosas organizações criminosas, para culminar em um confronto do qual nenhuma das duas poderá sair ilesa. Codinome Villanelle é um thriller veloz, sensual e emocionante, que traz uma nova voz à ficção internacional.
Killing Eve é uma das séries em exibição super queridinha da minha grade seriadora, então vocês podem imaginar a euforia por finalmente ler o primeiro livro da trilogia que deu origem a adaptação.

"Por alguns longos segundos, Villanelle é tomada pela intensidade das mortes e por uma satisfação tão aguda que quase dói. É a sensação que o sexo sempre promete, mas nunca chega a proporcionar."

Na primeira publicação, o autor Luke Jennings optou por lançar as quatro partes deste volume separadas e em forma de noveleta, em e-book, na Amazon. Na introdução iremos conhecer um misterioso grupo - praticamente formado por homens - chamado Os Doze. Eles agem por todo continente europeu e asiático - por enquanto? rs - controlando e aniquilando aqueles que podem levar à exposição dos mesmos e atrapalhar os negócios. Villanelle - antes Oxana Vorontsova - é uma jovem órfã russa que recebeu um intenso treinamento, tornando-se uma assassina à disposição deles. Ela é encarregada de fazer a limpeza sanguinária em diferentes localidades. Sua recompensa é viver com toda luxúria que almejar.

O tom sanguinário sempre predominou a vida de Villanelle. Após a morte da mãe, a garota passou a ser criada pelo pai que se envolvia em atos criminosos pelo território russo. Não tinha muitos amigos e, desde cedo, notava-se requintes de psicopatia em sua personalidade. Seu lado vingativo sempre foi aflorado. Quando o pai foi assassinado, ela decidiu vingá-lo; acabou presa. E foi assim que seu mentor, Konstantin, entrou em seu caminho levando-a para as missões dos Doze.

Em Condinome Villanelle - primeiro volume da trilogia - vamos acompanhar algumas dessas missões. Com tantas mortes geradas por métodos cruéis, Villanelle acaba por chamar atenção das autoridades britânicas e do controle de segurança local. Mas seu "trabalho" é sempre impecável, com rastros confusos e propositais. A maioria de suas vítimas envolve-se em atos políticos, um ponto bem descrito e discutido pelo autor - mas que pode incomodar quem discorda de certas visões apresentadas. São vítimas altamente controversas, conhecidas publicamente, mas não por bons feitos. Villanelle cumpre as eliminações como se somente o leitor estivesse presenciando. Até o momento em que a agente Eve Polastri entra em cena e, forçadamente, ou tristemente, é obrigada controlar sua curiosidade e repensar toda ideia da investigação sobre a bela sanguinária.

"- Você sabe que ela é uma psicopata do caralho."

Pra quem também acompanha a adaptação, certamente irá estranhar a minguada participação de Eve por aqui. Sua primeira menção é bem próxima a metade do enredo. Nesta introdução do "gato e rato" que está apenas ensaiando, a agente é apresentada como uma mulher que se esforça para equilibrar a vida profissional com a pessoal. Muitas vezes precisa sacrificar seus planos - como ser mãe ou uma reunião com os amigos do marido - para saciar parte da caçada. Após a promoção que a personagem recebe - para se aproximar ainda mais dos passos de Villanelle - o autor meio que deixa no ar o quanto esta futura perseguição irá interferir na união dela.

Desta maneira, a narrativa segue alternando pelo cenário das distintas vidas de Eve e Villanelle. Luke Jennings pode até demonstrar-se elegante em muitos de seus momentos repletos de descrições em relação ao mundo da moda e da arte, mas não deixa nada a desejar conforme as vítimas se apresentam. Villanelle é uma psicopata: não sente empatia, mas precisa saciar o vazio. Não só pelo sangue - o erotismo também é grande marca em parte das cenas, destacando diversidade na escolha das presas sexuais de sua protagonista.

Assim como a moda e a arte estão presentes pelas descrições, o autor nos guia por diversas localidades através das missões de Villanelle. Apesar de notar-se a preferência da personagem pelo solo francês, onde praticamente vive e mantém uma rara amizade. Há destaque num eixo, mas considero que, nos próximos, talvez, Jennings leve sua assassina à missões mais distantes. Da minha parte, a missão em Shanghai é a mais pesada - a adaptação, aliás, optou por uma morte mais "light" em vez desta.

"...messias não duram muito tempo. São perigosos demais."

Como mencionado, o autor divide as missões por quatro partes e a leitura de Codinome Villanelle soa ágil, por ser uma narrativa que nos espanta - mas também instiga - com as artimanhas medonhas arquitetadas pela protagonista para finalizar suas vítimas. A última parte mantém a tensão, com boas viradas, e pode ser de grande surpresa para os fãs da adaptação - que ainda não leram.

Uma curiosidade é que Luke se inspirou na história da assassina espanhola Idoia López Riaño - codinome Margarita, mas também conhecida como La Tigresa - que agia a mando de um grupo terrorista durante a década de 80, e assassinou 23 pessoas. Lendo histórias sobre suas vítimas e táticas, nota-se grandes similaridades na construção de Villanelle e, claro, o motivo pela narrativa de Luke ser tão predominada pelo toque erótico. Dizem que La Tigresa era conhecida por suas artimanhas sexuais; ludibriando até os policiais.

Edição lida em e-book - recebido através da plataforma NetGalley e em troca de uma resenha honesta. Pela presença da capa acredito que a edição estava finalizada. Não há erros tão nítidos, apresentando boa revisão. Ótimo trabalho com as referências lançadas pelo autor, com teor informativo bem compreensível. Só senti falta de algumas notas com as partes em francês. A capa está lindíssima com esse floral. Foi inspirada num ensaio promocional das atrizes da série. Confira clicando aqui.

*Adaptações:

- Killing Eve (?) | Série - Trailer
. Adaptação é uma série produzida pelo canal britânico BBC, e já conquistou alguns prêmios importantes;
. Eve é interpretada por Sandra Oh e também é considerada protagonista da história;
. Villanelle é interpretada por Jodie Comer;
. Inicialmente, a premiada Phoebe Waller-Bridge estava no comando e roteiro da série, mas atualmente está apenas na produção. As outras temporadas também contam com mulheres no roteiro e direção;
. No Brasil, a série está disponível no streaming Globoplay.

*As avaliações com desenho da pimenta indicam conteúdo/linguagem erótica na história

Autor: Luke Jennings
Título Original: Codename Villanelle
Origem: Literatura Britânica
Editora: Suma
Tradução: Leonardo Alves
ISBN: 978-8556510938
Publicação: 2020
Páginas: 216
Série: Sim - Killing Eve
#1: Codename Villanelle
#2: No Tomorrow
#3: Endgame
O Que Tem? Espiã, Gato e Rato, Violência

O Canto Cultzíneo agradece o Grupo Companhia das Letras (Suma) por ceder o exemplar para análise.

18 COMENTÁRIOS

  1. A sua é uma das poucas resenhas positivas que ue vejo da obra Nana. Eu vi muita gente dizer que a série tinha um ritmo mais interessante. Pessoalmente por se tratar de suspense não me animo muito, nem com a série e nem com o livro :(

    Abraços
    Emerson
    http://territoriogeeknerd.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nana, a série é muito bem comentada e ainda tem minha amada Sandra Oh! Não li o livro, mas pelas resenhas parece mesmo bom e uma narrativa cheia de tensão!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto de thriller, acho muito legal hahahah!
    Já ouvi falar da série Killing Eve e não fazia ideia que era inspirada nesse livro, que sensacional!! :)

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Nana.
    Que coincidência encontrar uma resenha do livro aqui. Eu recebi ele ontem da editora e achei a capa linda. Não assisti a série ainda, então estou no escuro e espero gostar. E você não acredita que o carteiro fez o favor de enfiar o livro na caixa de correio para caber. Dobrou no meio e enrugou toda a parte de trás.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. ótimo artigo, amei, eu já ouvi muito comentário positivo sobre esse livro, mas não sabia sobre a série
    www.mundodasmulheresbrasil.com

    ResponderExcluir
  6. Oi, Nana!

    Ahh não fazia ideia que Killing Eve era adaptado desse livro, tenho muita curiosidade em acompanhar a série, e agora de ler a obra também haha

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Amo um suspense, meu gênero preferido de tudo, seja livro ou série. Não sabia da existência desse livro e nem da serie, mas já entraram na minha lista.

    Beijinhos
    Renata

    ResponderExcluir
  8. Que resenha bem detalhada e muito bem escrita, Nana <3 Amei saber um pouco mais da história e como se passa a narrativa, acredito que seja diferente da série, ainda não a assisti, mas pretendo, depois de ler tantos elogios. Gostaria de ler primeiramente o e-book, e acho que vou fazer isso mesmo.

    Beijos
    https://monautrecote.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  9. Oi Nana, tudo bem?
    Eu gostei do livro, achei uma boa distração, mas não achei "uau", sabe? A Eve pra mim é uma personagem muito unidimensional, fiquei entediada nas partes focadas nela. Mas fiquei bem curiosa pra conferir à série!
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  10. Eu conheci esse livro recentemente por ver muitas campanhas de divulgação por conta da adaptação. Acho que não despertou o interesse por enquanto, mas estou vendo vários comentários que podem mudar isso haha.

    Abraço

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  11. Oi Nana,
    Peguei na época do NetGalley e tentei ler mas não fluiu, achei pesado e longo... Talvez seja a época, pandemia me deixou bem abalada, então eu não desisti, principalmente por ouvir tantos elogios sobre a série de TV.
    Tomara que mais para frente eu consiga me envolver com a história.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. OI Nana, eu não vi a série. Apesar de gostar de histórias com personagens psicopatas, eu sou muito medrosa para Thriller. Mas só o fato de saber que foi inspirada em uma personagem real eu já fico mais interessada. Mas eu não sei como eu lidaria com uma leitura tão sanguinária. A questão de transitar as descrições pela moda, arte e locais dá uns momentos "relaxamento" na leitura?
    beijos
    Chris


    Inventando com a Mamãe / Instagram  / Facebook / Pinterest

    ResponderExcluir
  13. Oi Nana! Eu estou lendo este livro e achando a trama bem interessante, quem sabe depois eu retome a série, que só vi o episódio um. A Eve é deixada mesmo em segundo plano e foi algo que estranhei na leitura, pois tive a impressão que ela é mais participativa na adaptação. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  14. Oiii Nana,

    Eu adorei a resenha, fiquei com vontade de ler o livro mas antes quero conferir a série pra ver se a trama vai me prender e me interessar mesmo. A capa do livro tá linda.

    Beijos, Ivy

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  15. Oi
    eu tenho curiosidade com a série, mas o livro parece ter vários pontos diferentes do livro, nem sabia que era uma trilogia, pensei que era um livro único, que bom que gostou da leitura.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  16. Oi Nana, tudo bem?

    Já li resenhas bem divergentes desse livro e confesso que não tenho muito curiosidade em ler a obra. Talvez eu assista a série antes, ai se a série me cativar eu dê uma chance ao livro.

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  17. É diferente de tudo que eu já li mas adoro protagonistas mulheres que assumem uma postura de vilãs ao mesmo tempo hahaha parece ser uma leitura pesada também fiquei curiosa, ainda mais por ser inspirada em uma história real!
    Beijoss, Blog Seja Agridoce ♥️♥️♥️

    ResponderExcluir
  18. Oie,
    Quero muito ler esse livro! Finalmente assisti a primeira temporada algum tempo atrás e quero conhecer o máximo possível sobre essa personagem. Adorei o post!

    Beijos, Fantasma Literário

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.