Livro: Sonata em Punk Rock - Babi Dewet

Por que alguém escolheria uma orquestra se pode ter uma banda de rock? Essa sempre foi a dúvida de Valentina Gontcharov. Entre o trabalho como gerente do mercado do bairro e as tarefas de casa, o sonho de viver de música estava, aos poucos, ficando em segundo plano. Até que, ao descobrir que tem ouvido absoluto e ser aceita na Academia Margareth Vilela, o conservatório de música mais famoso do país, a garota tem a chance de seguir uma nova vida na conhecida Cidade da Música, o lugar capaz de realizar todos os seus sonhos. No conservatório, Tim, como prefere ser chamada, terá que superar seus medos e inseguranças e provar a si mesma do que é capaz, mesmo que isso signifique dominar o tão assustador piano e abraçar de vez o seu lado de musicista clássica. Só que, para dificultar ainda mais as coisas, o arrogante e talentoso Kim cruza seu caminho de uma forma que é impossível ignorar. Em um universo completamente diferente do que estava acostumada, repleto de notas, arpejos, partituras, instrumentos e disciplina, Valentina irá mostrar ao certinho Kim que não é só ele que está precisando de um pouco de rock and roll, mas sim toda a Cidade da Música.
um pouco de música, amizade e amor

Valentina Gontcharov não tem lá uma história de vida que gostaria de dividir com outros jovens de sua idade. Ela sabe o quanto a mãe sempre deu o melhor para criá-la sozinha, enquanto o pai sumiu no mundo em busca de fama e sem cria para atazanar. Atualmente, Valentina é quem divide as contas da casa com a mãe - sem deixar de lado seus sonhos musicais. Um deles, muito ousado, é ingressar num famoso conservatório de música. E ela consegue! Quando descobre a inscrição da jovem, por causa do sobrenome, o pai reaparece querendo compensar os anos perdidos. Ele decide bancar todo período. Aceitando, a contragosto, Valentina mantém a promessa de empenho para devolver toda grana futuramente.

Diferente do pai, que se tornou renomado em meio a música clássica, Valentina é expert no mundo do punk rock - e assim destaca sua personalidade pelo figurino e maquiagem. Ao ser aceita na Academia Margareth Vilela, a jovem nutre a ideia de poder mostrar todo rock'n'roll dentro de si. Todavia, até chegar onde deseja, precisará passar por várias etapas. Uma delas é enfrentar o bom e velho piano, além de suportar as músicas clássicas que dominam o local. E, claro, conviver com boa parte dos futuros músicos de ar nada amigáveis que esnobam seu jeito de ser. Eventualmente, Valentina encontra amizade em meio a um outro grupo de excluídos.

A chegada de Valentina não passa despercebida. Logo nos primeiros momentos, a garota se depara com Kim - um pianista pra lá de talentoso - lidando com seus inúmeros problemas emocionais. Eles se conhecem no pior momento possível, pois Kim bebeu além da conta e está largado. Valentina sente que deve ajudá-lo, apesar da resistência do garoto. Mais tarde, com a consciência estável, Kim a esnoba como qualquer outro no conservatório. A verdade é que o jovem faz questão de manter um ar ríspido e frio com todos a sua volta.

A única presente na vida social de Valentina é sua melhor amiga virtual, Érica. Ela é uma das grandes incentivadoras da aproximação entre Kim e Valentina. Apesar do tom mal-humorado, Kim também está curioso em relação a nova aluna. Não que ela faça seu tipo, mas ~do nada~ sua música favorita invade seus pensamentos toda vez que a vê. Ele passa a observá-la, atraído por este incentivo. Mas a paz ainda não está selada entre os dois. Kim não esquece da maneira vulnerável que Valentina o encontrou. E ela sabe disso.

Como mencionado, Valentina não é lá a grande dama do piano. Ensaiando uma aproximação, a garota decide solicitar a ajuda de Kim. É uma troca por silêncio e curiosidade, então não é esperado um tom melhores amigos da parte dele. Por outro lado, Valentina não se deixa abalar e faz tudo para quebrar a muralha de gelo em torno de Kim, afetando seu ego sempre que possível. Fato que dificilmente adormecerá todas as notas desta, talvez, provável atração.

"A vida é como uma orquestra: são necessários muitos instrumentos em harmonia para que a música toda faça sentido. Mas, na maioria das vezes, você nem sabe tocar esses instrumentos. E sempre vai ter alguém dizendo que seu gosto musical é ruim, mesmo que seja o som que te faz feliz."

Pra quem conhece a autora desde a era Orkut e suas inúmeras comunidades da banda McFly - que é o meu caso -, Sonata em Punk Rock será uma ótima pedida pela nostalgia. A construção tem lá sua pegada de fanfic, com a constante lembrança de quanto Kim é atrativo, a euforia em torno da presença dele e que até lembra certo ator famoso por seus doramas. Embora a personalidade do rapaz é o que complique laçar a nossa simpatia durante a leitura.

Valentina é carismática. Com toda sua ideia de emanar o rock'n'roll a jovem não é lá a rebelde sem causa que se espera. O leitor pode enxergar seu bom coração e sororidade - mesmo que não seja retribuída. Ela sabe que não será aceita em meio aos esnobes, então nos surpreende seguindo os capítulos sem tantas lamentações e sem implorar pra encaixar na selva. Lembre-se que o único alvo de suas lamúrias é o pai. A autora respeita os sentimentos dela, em relação a ele, até a última página. Por outro lado, o relacionamento paterno pode incomodar alguns leitores pelo desfalque na narrativa. Não há grandes momentos ou embates.

A construção em torno da protagonista deixa claro alguns tópicos que serão pontuados - mesmo nas entrelinhas -, como as diferenças sociais, bullying, xenofobia e nepotismo. O trio de excluídos que se amiga com Valentina acaba por expor parte disso, apesar da presença da garota no conservatório ter dedo do pai renomado. Os três são personagens bacanas, dominados pela cultura geek e esperteza, mas Sarah é a que se torna a amiga marcante. Algo que faz a pobre Érica sumir durante alguns capítulos. Dizer que achei meio besta a briguinha que elas tiveram.

"Então era como uma maldição da Margareth Vilela? Se você não quisesse ser discípulo de Bach ou John Williams, seus dias no conservatório estavam contados?"

Enquanto Valentina luta para esconder seus laços familiares, a vida de Kim é altamente exposta. O rapaz é filho da diretora, assim todos o idolatram como o próprio alecrim dourado. É muito difícil apreciar sua presença. Não acho que o tom de arrogância que parte dele seja saudável ou romântico. Eu sempre penso se me relacionaria com os personagens que conheço em romances e esse tom de grosseria do Kim me lembra alguém que não me conecto bem emocionalmente - na vida real - e a última coisa que eu desejo é ter interesse amoroso nesse tipo. Tristemente concluí a leitura sem acreditar em sua súbita mudança de humor. E, vamos deixar claro, que foi apenas com Valentina. Com os outros...

A trama se desenrola apenas no ambiente musical e escolar da academia, seguindo Valentina em suas aulas e conexões. Os capítulos se intercalam em curtos e longos; poucos apresentam um olhar de Kim e seus sentimentos. A música domina as páginas, nominando os capítulos e pela apreciação punk rock da protagonista. O leitor ganhará uma baita playlist quando encerrar a leitura. Minha parte favorita, pois amo música e conhecer músicos novos - só que clássica, nem tanto... Ha!

"Se não for difícil, não tem esforço. E, se não tiver esforço, ninguém se torna mais do que medíocre."

A escrita de Babi Dewet constrói uma narrativa jovial que nos transmite cada sensação musical que domina sua protagonista. Ela sabe como usar as referências culturais ao seu favor, sem poluição, tornando a leitura descontraída. Entretanto, os pontos com seu protagonista masculino acabaram por amenizar o lado positivo de Sonata em Punk Rock por aqui. Além da ideia de que algumas abordagens soam como se estivessem preenchendo um vazio, como a mencionada briga de Érica e Valentina mais a secretamente estranha colega de quarto da garota.

Edição lida em e-book pelo app da Biblioteca Virtual de SP. Difícil não se interessar pela leitura apenas por essa capa lindíssima; altamente apaixonada pelas cores e fonte. A edição ainda apresenta uma ótima revisão e diagramação. A música está presente em cada página do livro. E estou curiosa para ler o segundo volume - que é focado em outro casal.

Autora: Babi Dewet
Origem: Literatura Brasileira
Editora: Gutenberg
ISBN: 9788582353899
Publicação: 2016
Páginas: 304
Série: Sim - Cidade da Música
#1: Sonata em Punk Rock
#2: Allegro em Hip-Hop
O Que Tem? Música Clássica, Amizade Virtual, Relacionamento Familiar, Punk Rock, Saúde Mental, Rio de Janeiro

12 COMENTÁRIOS

  1. oLÁ...
    Sempre leio excelentes comentários a respeito dos livros da Babi Dewet, mas ainda não tive opotunidade de ler nada da autora. Ver você falando sobre McFly na resenha me bateu até uma nostalgia, pois na minha adolescencia amava essa banda.
    Bjo

    http://coisasdediane.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi Nana.
    Eu não li esse, mas li o Allegro em Hip-Hop em 2018 e lembro que gostei, mas não foi aquela super leitura. Pela sua resenha não sei se iria curtir muito esse. Protagonistas arrogantes e pedantes, que não evoluem, melhoram realmente no decorrer da leitura não me atraem. Gostei da oportunidade de conhecer a história através da sua resenha.
    Bjus

    ResponderExcluir
  3. Oi Nana,
    Eu gostei bastante desse livro quando o li, tanto que comprei o 2, mas vou te falar que está lá na estante ainda, rs.
    Não que não valha a pena ler, mas hoje, penso que passei da idade, sabe? kkkkk
    Ainda mais estando em uma pegada mais dark. Acho que indicaria esse mais para aqueles adolescentes que estão começando a descobrir a leitura!
    beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Olá, Nana.
    Eu já não sou ligada em musicas e esse foi um dos motivos que me fizeram não querer ler esse livro. Na época que lançou eu até tinha parceria com a editora e não quis ler hehe. Mas concordo sobre a capa, também acho ela linda. E espero que o segundo volume seja muito bom.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  5. Gosto da escrita leve e jovem. Sem contar que para os amantes de música, essa narrativa é um prato cheio :)

    www.vivendosentimentos.com.br

    ResponderExcluir
  6. OI Nana! Eu comecei a ler e não me cativou muito, está há um bom tempo pausado. Quem sabe uma hora dessas eu me anime para terminar. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  7. Oi Nana, tudo bem?
    Preciso dizer que adorei o selo que dá nota ao livro hahaha!
    Eu acho que atualmente esse livro não se encaixa muito comigo, talvez se tivesse lido uns anos atrás me despertasse mais curiosidade. Mas essa pegada de fanfic não me chama tanto a atenção :(
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  8. Oie, eu tenho vontade de conhecer os livros da autora, já que acompanho ela há um tempo, mas infelizmente ainda não tive oportunidade.

    Bjs

    Imersão Literária

    ResponderExcluir
  9. Adorei esse livro!
    Envolve música que é algo que e amo, amei o nome do livro pois eu amo punk rock...
    Enfim, parece ser super gostoso de ler! :)

    https://www.heyimwiththeband.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Oi Nana, tudo bem?
    Não conhecia o livro, mas talvez eu curtisse a trama por conta da música. Ótima resenha!!

    *bye*
    Marla
    http://loucaporromances.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Oie
    Li este livro faz um tempinho e ameii. Tive o prazer de conhecer a autora quando ela veio aqui na minha cidade, ela é um amor.

    Beijinhos
    https://tecendoaliteratura.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Sou louca por musica. Então, quando vejo um livro que respira music eu fico louca para ler. Menina, acredito que iria me identificar bastante com a Valentina. Eu não conhecia a autora.
    Beijos,
    Paloma Viricio💫❤

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.