Livro: Pistas Submersas - Maria Adolfsson

Bem-vindo ao mundo único de Doggerland! Uma nação formada por grande extensão de terras, hoje, a maior parte submersas, das quais restaram apenas três ilhas, localizada em algum lugar entre o Reino Unido e os países nórdicos. É lá que Maria Adolfsson cria o cenário perfeito para uma história arrebatadora. Na manhã seguinte ao grande festival das ilhas de Doggerland, norte da Escandinávia, a detetive Karen Hornby acorda em um quarto de hotel com uma ressaca gigantesca, mas não maior que os arrependimentos da noite anterior. Na mesma manhã, uma mulher foi encontrada morta, quase desfigurada, em outra parte da ilha. As notícias daquele crime abalam a comunidade. Karen é encarregada do caso, algo complexo pelo fato de a vítima ser ex-esposa de seu chefe. O homem com quem Karen acordou no quarto de hotel... Ela era o seu álibi. Mas não podia contar a ninguém. Karen começa a seguir as pistas, que vão desenrolando um novelo de segredos há muito tempo enterrados. Talvez aquele evento tenha origem na década de 1970... Talvez o seu desfecho esteja relacionado a um telefonema estranho, naquela primavera. Ainda assim, Karen não encontra um motivo para o assassinato. Mas, enquanto investiga a história das ilhas, descobre que as camadas de mistérios daquelas terras submersas são mais profundas do que se imagina.
Uma leitura que é a cara do inverno! Se bem que já foi embora, ha! 

Doggerland realmente existiu, mas em algum ponto da história da humanidade tornou-se submersa. Numa área entre o Reino Unido e os países nórdicos, a autora sueca Maria Adolfsson resolveu criar uma área não submersa neste local misterioso e usar como cenário para sua série policial - algo que trará bastante liberdade criativa para os caminhos que envolvem sua protagonista.

Karen Eiken Hornby nasceu e cresceu nesta pequena área gélida. Agarrou a oportunidade de se mudar para Londres e tentar construir uma nova vida distante da pesca e do gelo. Após um trágico incidente, Karen retornou à cidade natal e tornou-se uma detetive, lidando com vários desaforos masculinos em sua equipe. Seu empenho nas investigações nunca é o suficiente, sobretudo para conseguir uma promoção.

Quando Susanne Smeed é encontrada morta em casa por um vizinho, a vida profissional – como também a pessoal – da detetive Eiken é atingida. Na hora do crime, Karen estava em um hotel, especificamente na cama com seu chefe ogro – marido de Susanne – Jounas Smeed. Ambos beberam além da conta durante um festival local e terminaram a noite colhendo arrependimentos. Inesperadamente, Karen acaba por tornar-se álibi do chefe e eliminando-o da lista de suspeitos. Mas não de outras coisas estúpidas que notamos no decorrer da leitura.

Com Jounas Smeed afastado do caso pelo tom pessoal, Karen assume a liderança da equipe. Não tem apoio de todos, mas o suficiente para avançar na resolução. O problema é que boa parte espera que ela falhe, assim as oportunidades de prazos lhe escapam. O caso se faz cada vez mais complicado, sem nenhuma pista ou direção. Todos tinham motivos para não simpatizar com a vítima, inclusive a filha adolescente dos Smeed. 

Sem caminhos no presente de Susanne, a detetive resolve vasculhar sua origem e chegada na ilha. A vítima não era uma local, e Karen descobre que sua família não fora bem recebida por eles. Deste modo, em narrativa paralela, acompanharemos a chegada dos pais de Susanne mais a complicada relação com os moradores locais que nunca simpatizaram com suecos e seu estilo hippie. Os pais da vítima residiam com amigos em um casarão distante de todos, o que sempre gerou mais comentários maldosos. E parte destes moradores ainda estão por lá, com todas as histórias daquela época bem vívidas em suas mentes, e podem ser a chave para a conclusão que Karen tanto anseia.

"Apenas em seu passado foi que Karen conseguiu vislumbrar um bloco de gelo em que se segurar. Ela tinha de ir para casa. Tinha de voltar para casa."

Minha maior felicidade literária é sempre ter um bom mistério para ler, mas policiais nórdicos sempre ganham uma pitada a mais da minha empolgação. A narrativa sempre puxa para um tom mais frio na construção de seus personagens - muitas vezes dominada por cenários sanguinários. Entretanto, em Pistas Submersas não há nenhuma pretensão da autora Maria Adolfsson em tornar seu mistério um rio de sangue. Não há alardes sobre um possível serial killer - a morte de Susanne é o ponto do início ao fim - então desta vez o leitor estará entretido com todo suspense em torno do passado da vítima.

A autora decidiu intercalar passado e presente. Acredito que lidou bem com as pistas envolvendo a família de Susanne, pois atiçaram minha curiosidade para as próximas páginas daquela época. O grupo de amigos suecos realmente sabia como causar. Ha! Mas, por trás daquelas paredes do casarão, havia muitos segredos envolvendo os pais de Susanne. No presente, a construção da vítima deixa nítido o quanto era ressentida com alguma coisa. Todos os relatos infelizes sobre seu comportamento parecem levar ao mesmo lugar. Seu assassinato é realmente intrigante; no entanto a motivação é de fácil dedução.

Na frente deste quebra-cabeça - suspostamente - impossível está Karen Eiken Hornby, uma detetive na faixa dos quarenta anos e solitária. A autora optou por aproximá-la ao máximo do leitor. O cenário prioriza a investigação, mas também nos leva aos seus momentos familiares, reuniões com amigos e seu lado emotivo. Karen é uma protagonista de passado doloroso e prefere preservá-lo junto a sua superação. Conforme as páginas avançam, compreendemos o porquê dela ignorar parte do comportamento tóxico de alguns dos colegas de trabalho. Adolfsson ressalta todas as problemáticas no trilhar da investigação, como o machismo, que sua protagonista é vítima.

" - Nesse caso, vou saber que eu estava certa. Isso é o suficiente para mim."

E, claro, o cenário fictício acaba considerado um protagonista também - as páginas finais prometem retorno e mais um terrível mistério neste solo gélido. A construção surpreende pelas peculiaridades nórdicas - apesar do ar cidade pequena em que as pessoas se conhecem desde sempre. Neste primeiro volume há uma narrativa movimentada, repleta de personagens rabugentos e de tom cortante. Uma outra parte até soa bem-humorada, como a mãe de Karen e o colega investigador, Karl, que são dois interessantes a destacar. E o fofo gatinho Rufus. Foi meio difícil não imaginar que parte dessa galera irá morrer ou ser preso nos próximos volumes.

Acredito que Pistas Submersas seja uma ótima dica para quem está iniciando no gênero, sobretudo pela questão de não haver mortes a todo momento. Há grande foco na vida da protagonista e como ela lida com toda a pressão para solucionar o caso. Vários personagens se conectam a ela conforme a investigação avança. Os momentos finais prometem cenas eletrizantes, que certamente ficariam ótimos em uma adaptação. A revelação é surpreendente. Só poderia ser um pouco menor e livre de algumas exageradas repetições - apesar que os nórdicos são conhecidos por suas narrativas longas.

" - Você deveria tomar cuidado, Karen. Jounas sempre persegue mulheres que... Bem, mulheres como você."

Edição está bem grossinha e linda. Mais um ótimo trabalho da Faro Editorial. O livro inicia com uma página escura de fonte branca, alertando sobre a construção de Doggerland que acompanharemos na série de Adolfsson - além do mini mapa. A fonte está confortável, e não nota-se erros tão gritantes de revisão. A capa apresenta um pouco do cenário gélido; título em relevo. Queria esse casaco vermelho.

Autora: Maria Adolfsson
Título Original: Felsteg
Origem: Literatura Sueca
Editora: Faro Editorial
Tradução: Fábio Alberti
ISBN: 8595811024
Publicação: 2020
Páginas: 368
Série: Sim - Doggerland
#1: Pistas Submersas
#2: Stormvarning
#3: Mellan djävulen och havet
O Que Tem? Mistério, Passado Doloroso, Gatinho, Nórdico

LinksSkoob Compre Físico - No Site da Editora - Site da Autora
O Canto Cultzíneo agradece à Faro Editorial por ceder o exemplar para análise

10 COMENTÁRIOS

  1. Que interessante esse livro, Nana! Não tinha ouvido falar por aí, mas achei bem misterioso, bem instigante na leitura. Confesso que não costumo ler muitos mistérios, ainda mais nórdicos, mas esse chama bastante a atenção.

    Beijos
    https://monautrecote.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Nana!

    Pode ter certeza que o inverno já passou mesmo mas já tô com saudade dele hahaha torrando aqui nessa cidade!!
    Adorei a premissa da obra e principalmente o fato da autora usar uma cidade submersa como pano de fundo, é simplesmente genial e te dá uma vastidão de caminhos a seguir, já que ela pode "criar" a cidade do jeito que ela quiser. A história parece muito boa!!

    xx Carol
    https://caverna-literaria.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá, Nana.
    Eu gostei muito desse livro e espero que tragam mais livros da série para cá. Eu gosto desses livros policiais onde fica parte do livro focado no suspense e parte na vida do detetive. E fiquei de cara com a revelação no final porque não imaginava aquilo.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  4. Ahhh eu também amo um mistério, e a premissa desse livro me chamou bastante a atenção. Achei legal que o cenário se trata de um lugar fictício, com certeza a autora pôde ser bem criativa e trabalhar todos os detalhes dele.
    Gostei muito, quando possível vou conferir o livro, até porquê, acho bacana quando a detetive é uma mulher.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  5. Oi Nana,
    Se é a cara do inverno quem sabe isso não salve meu verão, porque eu ODEIO o calor. AI AI AI.
    Como é um thirller, acho que vou adiar um pouco a leitura, estou indo a passos de formiga até meu emocional estar firme para aguentar golpes, porém é um dos livros da minha lista de desejados!
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Nana, tudo bem?
    Só li um livro ambientado nessa região nórdica e adorei (Boneco de Neve). Isso já me faz querer dar uma chance a esse. Gosto quando a trama aprofunda os personagens principais ao longo da investigação.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  7. Oi Nana, tudo bem? Confesso que estou tendo um pouco de dificuldade com a narrativa da autora, mas de fato é uma história bem trabalhada. Espero gostar do final!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  8. Eu li essa resenha gritando: EU.PRECISO.NECESSITO.DESSE.LIVRO.AGORA.
    Eu simplesmente amo mistérios e suspense, meu gênero preferido

    Beijinhos
    Renata

    ResponderExcluir
  9. Oi, Nana!
    Eu gostei muito da resenha e o fato de ser uma literatura sueca me chamou a atenção. Fiquei pensando se já li um livro da Suécia.

    Um beijo,
    Fernanda Rodrigues | contato@algumasobservacoes.com
    Algumas Observações
    Projeto Escrita Criativa

    ResponderExcluir
  10. Oi
    eu gosto de suspense, mas faz tempo que não leio um, nunca li no estilo nordico, mas pelo que falou chamou minha atenção, ainda mais para saber um pouco da falecida susanne e da investigação da Karen.

    http://momentocrivelli.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.