Filme: Amor com Data Marcada (2020) #ACABOUOPAPEL

Cansados de estar sozinhos nos feriados, dois estranhos aceitam acompanhar um ao outro em todas as festas do ano. Tudo platônico, nada de sentimentos. Será que rola?
E começou a melhor farofada do ano!
Saudades elefante Manu...

Produção original Netflix, a comédia romântica Amor com Data Marcada conta com John Whitesell, dos filmes da Vovó... Zona, na direção e com roteiro de Tiffany Paulsen, de Nancy Drew e O Mistério de Hollywood - repetindo a parceria com Emma Roberts.

Para não soar como os iguais, este natalino não é tão natalino assim. Ha! A narrativa aqui inicia no Natal de um ano e finaliza no Natal do próximo. Sloane, Emma Roberts vista na série Scream Queens, está na casa dos trinta anos e é difícil não se sentir pressionada pelo ambiente familiar estilo comercial de margarina - exceto pelas loucuras de tia Susan, Kristin Chenoweth vista na série Pushing Daisies, e seus inúmeros contatinhos chamados de ferigatos. Seus irmãos estão felizes em seus status amorosos - o mais novo até aproveitou a ceia para realizar um pedido de casamento. Sloane mal superou um recente término e eles tentam empurrá-la para inúmeros encontros a todo custo.

Do outro lado temos Jackson, Luke Bracey visto na série Little Fires Everywhere, que apresenta aquela construção de jovem canalhinha típico American Pie. Em mais um período de festas ele só queria se "dar bem", mas Carly, Aimee Carrero vista na série Young & Hungry, tinha outros planos: levá-lo para conhecer seus pais. A treta se arma no momento em que ele deixa claro que não há nada tão sério entre os dois. E não é tão bobo de sair sem carregar o presente que ofereceram.

Após a farta troca de presentes, sabemos que é normal a correria nas lojas de shopping em busca de reparo dos erros alheios. E é assim que os nossos dois protagonistas se conhecem: ambos estão na fila de troca e iniciam uma discussão. Mas não demora até que encontrem algo em comum - a baita pressão por firmarem um relacionamento durante os feriados em família. Eis que nasce aquela ideia que sempre nos diverte em rom-coms: Jackson e Sloane decidem fingir que está rolando algo entre eles, assim se comprometem "amenizar" as inconveniências durante os feriados um do outro. É tipo a tática dos "ferigatos" da tia Susan. O grande problema será a hora de um dos lados assumir que a brincadeira acabou, pois torna-se impossível esconder os reais sentimentos que floresceram.

Você terminou este filme com vontade de arrumar um ferigatx? | credits: Netflix

É sempre um problema assistir filmes com atores/atrizes que a gente não simpatiza, daí já começa torcendo o nariz e implorando pra não curtir. Ha! É o meu caso com Emma Roberts, acho tão chuchuzinha; morro de vontade de tacar sal pra ver se melhora. Ainda mais quando se trata de um filme em que retrata a mulher solteira como infeliz. Eu sou SEMPRE a primeira na fila a exaltar a solteirice, e como é importante e normal ser feliz sozinha. Aos trinta anos, sinto-me muito bem assim, obrigada. Mas confesso que, em partes, esta comédia romântica até me divertiu; essa inconveniência de familiares - quando não é com a gente, rs - sempre garante boas risadas.

Apesar do roteiro tentar equilibrar as coisas, a trama puxa bem mais para o lado de Sloane. A construção do rapaz é paupérrima, mas Jackson aposta bastante em seu carisma para marcar pontos em cena. E é tão estranho que, mais pra frente, a moça mencione que falou com a mãe dele e acabe em mais vazio para o personagem e, também, o público. É algo que ando notando bastante nos filmes da Netflix - principalmente esses com atores mais conhecidos - é como se esses vazios fossem uma ponta de expectativa para uma continuação, assim atiçar o público para pedir. A roteirista, aliás, já disse que está muito interessada e pronta para desenvolver a segunda parte.

Então vamos conhecer tudo sobre Sloane - já que quem domina na pressão aqui é a família dela. O grande destaque é a interação com a irmã mais velha, Jessica Capshaw vista na série Grey's Anatomy, que, praticamente, é sua única amiga. Ainda sobre a irmã, há um estranho tom de suspeitas que paira sobre o marido dela ser tão perfeitinho quanto apresentam. Mas nem se empolguem por treta. E o que dizer da tia Susan? Kristin Chenoweth nunca é demais na minha tela, ainda toda tarada desse jeito... certamente é a coadjuvante que nos enlaça em grande parte da comédia.

Há uma "tia Susan" na sua família? | credits: Netflix

A produção lembra um pouco os ares das rom-coms britânicas, sobretudo as mais "velhinhas" - como Simplesmente Amor - que são predominadas por um humor mais adulto e sarcástico. Sloane é apresentada como uma mulher moderna, que deixa claro seus pensamentos e desejos; no entanto, complicada para expor sentimentos mais profundos. Para o pobre Jackson sobra apenas os piores diálogos do filme. Os dois atores até mantêm uma boa química e, em algumas cenas, despertam interesse pela torcida do final feliz. E preciso dizer: assistam uma parte do filme no original, o Luke tem a voz idêntica a do coleguinha australiano Chris Hemsworth!

Toda a dinâmica em torno dos feriados é uma boa jogada para ficarmos por dentro das comemorações norte-americanas, além da irlandesa na parte do pub. Mais em algum momento a interação soa repetitiva, e assim tem de correr para finalizar. Vai rolar o conflito básico de sempre, que encaminha para um dos dois passar vergonha se desculpando até expor tudo que realmente sente. O suposto natalino esbanja referências em torno de outros romances. Há uma bela obsessão com Ryan Gosling e Amor à Toda Prova. E, não, não era ele no supermercado, tá? Ha!


Bom, e mesmo não sendo a fãzona da atriz protagonista, sempre reconheço quando Emma faz um bom trabalho em cena. Ela tem coisas bem melhores no currículo do que esse filme, mas entra fácil no tom da personagem e o roteiro ajuda bastante a carregar tudo nas costas. Queria - e muito - um destaque maior para Aimee Carrero, que interpreta Carly, é uma atriz que trabalha muito bem com comédia. Tão bem, que fiquei pensando se rolou algum receio de ofuscar a protagonista - isso acontecia muitas vezes numa série com ela que eu acompanhei - e por isso há apenas uma pontinha básica no início do filme.

E eu preciso chegar ao momento chato para firmar minha avaliação e encerrar esta postagem. Além dos problemas com a oca construção de Jackson e seus diálogos ridículos, a edição do filme é péssima. Sério, tem uns cortes super bruscos mais uns erros em cena que nem os canais americanos - que investem em produções do estilo - ousariam tanto. Ha! Só pra citar, aquela cena da Sloane roubando a cesta de chocolate como se fosse um rolê normal... é surreal e problemática. Fora questões entre o casal que são supeeer ultrapassadas para uma comédia romântica que se vende como moderna.

E gente, amei que a mãe da Sloane é interpretada pela mesma atriz que interpreta a mãe da Rose em Titanic. Rainha que pressiona. -q


Título Original: Holidate
Nacionalidade: Americana
Produção de: Netflix e Wonderland
DireçãoJohn Whitesell
Roteiro: Tiffany Paulsen
Roteiro Adaptado? Não
Ano: 2020
Censura: 16 anos
Duração: 1h43min
O Que Assistirei? Comédia, Romance, Feriados e Tia Safada
Elenco Principal: Emma Roberts, Luke Bracey, Kristin Chenoweth, Frances Fisher, Andrew Bachelor, Jessica Chapshaw, Manish Dayal, Alex Moffat, Nicola Peltz, Dan Lauria, Aimee Carrero, entre outros.
Trilha SonoraClique aqui
Prêmios/Indicações: ?

7 COMENTÁRIOS

  1. Acho que a avaliação do filme foi perfeita. Eu não sou fã de romances bobinhos e comédias românticas, por isso confesso, comecei a assistir o filme achando que haveria alguma novidade, mas esse filme é "mais do mesmo", aquela comédia bobinha previsível que não me arranca mais risadas, só me faz revirar os olhos. Mas é isso, não dá pra esperar muito da leva de filmes com tema Natal da Netflix.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

    ResponderExcluir
  2. OIe Nana!

    Eu ainda não assisti, mas tá na listinha de filmes pra conferir por motivos de: NATAL está chegando e nós adoramos conferir os clichês, sejam eles bons ou nem tanto assim, né? rs
    Eu não sou das maiores fãs de Emma Roberts assim como você rsrsrs
    Eu não assisti nenhum da Netflix esse ano, mas vou conferir se estão do jeito que você está falando sobre os atores mais famosos e o vazio... Vou ver se consigo ver algum nesse fds :D
    Quem sabe esse, só pra conferir? rsrsrs

    Beijos!
    Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

    ResponderExcluir
  3. Oi Nana,
    Eu ADOREI esse filme!!!!!!!!!!!!
    Sei que não é perfeito, sei que tem vááários problemas, mas eu me diverti bastante.
    Agora, eu já gosto bastante da Emma Roberts, sempre a acompanhei nos filmes mais teen's e nesse não poderia ser diferente, rs.
    beeeijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Oi Nana! Eu gosto da Emma e acho que este filme vai ser divertido para mim, mas concordo com você que não há nada errado na solteirice. Fico também revoltada quando dizem que mulher tem que ser mãe para estar realizada, me poupe. Vou assistir em breve. Bjos!! Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  5. Oi Nana, tudo bem?
    O filme parece bem mediano, o que não necessariamente é algo ruim. Parece um bom entretenimento pra um domingo de tédio e pipoca, mas não vou colocar na fila prioritária do que assistir.
    Beijos,

    Priih
    Infinitas Vidas

    ResponderExcluir
  6. Olá, Nana.
    Eu nem quis assistir esse filme. Vi a cara da protagonista e já desisti hehe. Eu tenho nervoso desse povo que acha que precisa estar em um relacionamento para ser feliz. Eu estou solteira com quase quarenta e estou muito bem e aliviada de não ter um marido para ficar reclamando dele o tempo todo igual algumas amigas.

    Prefácio

    ResponderExcluir
  7. Aiii eu amei esse filme! Ri muito e me emocionei também! ♥

    ResponderExcluir

Olá, sejam bem vindxs :D
Algumas observações:
- Os comentários são moderados, conteúdo odioso ou preconceituoso não será aprovado;
- Comentários que não tenham relação com a postagem e estilo propaganda serão enviados para o spam;
- Comentários que desprezam o texto da postagem não serão respondidos.